Determinação do potencial de transmissão de Xanthomonas vasicola pv. vasculorum por sementes e resíduos de milho.
Bruna Ricini Martins, Marcelo Giovanetti Canteri
A estria bacteriana causada pela bactéria Xanthomonas vasicola pv. vasculorum (Xvv) é uma doença foliar do milho relatada no Brasil pela primeira vez em lavouras das regiões Oeste, Centro-Oeste e Norte do estado do Paraná em 2018. A disseminação de Xvv à longas distâncias pode estar relacionada à transmissão da bactéria por sementes. Por outro lado, resíduos vegetais infestados representam uma fonte potencial de inóculo primário, e se constituem em um veículo de sobrevivência da bactéria entre ciclos da cultura. Assim, os objetivos deste estudo foram determinar o potencial de transmissão de Xvv a partir de sementes infestadas com a bactéria e de resíduos vegetais para plantas de milho. Foram realizados dois procedimentos para a detecção da bactéria: a técnica de PCR utilizando os iniciadores específicos para Xvv, Xvv3F / Xvv3R, e o reisolamento em meio de cultura. Para isto, foram obtidos mutantes de Xvv resistentes à rifampicina. A presença de Xvv foi estudada em amostras de sementes de milho do híbrido IPR 164 embebidas em suspensão bacteriana na concentração de 108 UFC mL-1 , após um, cinco, 10, 15, 30 e 60 dias da infestação artificial. A transmissão de Xvv a partir de resíduos vegetais provenientes de plantas de milho com estria bacteriana foi estudada em três condições: resíduos depositados na superfície do solo após a semeadura (RS), resíduos incorporados ao solo antes da semeadura (RSI) e resíduos associados às sementes (RAS): A transmissão de Xvv para as plantas de milho foram monitoradas e avaliadas com base na manifestação de sintomas de estria bacteriana durante quatro semanas. Plantas que apresentaram sintomas suspeitos foram examinadas em laboratório para a presença de Xvv pela técnica de PCR. A presença de Xvv nas sementes de milho foi detectada até 60 dias após a infestação artificial com a bactéria. A transmissão de Xvv via sementes para as plantas de milho ocorreu até 30 dias após a infestação artificial das sementes com a bactéria. Ocorreu transmissão de Xvv para plântulas de milho a partir dos resíduos vegetais provenientes de plantas com estria bacteriana, independente dos resíduos estarem na superfície ou incorporados ao solo, ou associados às sementes. Na transmissão de Xvv via sementes e resíduos vegetais foram observados sintomas de estria bacteriana somente em folhas dos estádios vegetativos V1, V2 e V3 das plântulas de milho.