Caracterização de isolados de Corynespora cassiicola e sintomatologia de mancha alvo em diferentes cultivares de soja.
Jaqueline Dalbelo Puia , Marcelo Giovanetti Canteri
A mancha alvo da soja causada pelo fungo Corynespora cassiicola ocorre em todas as regiões sojícolas do Brasil, causando reduções de produtividade até 45% e perdas significativas na cultura. O objetivo do estudo foi caracterizar os parâmetros monocíclicos, resultantes da interação entre oito isolados de C. cassiicola e oito cultivares comerciais de soja, bem como determinar os sintomas exibidos pelas plantas inoculadas neste patossistema. Dois experimentos foram instalados, um in vitro e outro sob condições de câmara climatizada. O delineamento experimental do ensaio in vitro foi o inteiramente casualizado em esquema fatorial 2 x 8 (meios de cultura x isolados), com cinco repetições. Os isolados foram repicados em placas de Petri contendo os meios de cultura BDA e Suco V8 Ágar. Foram avaliadas a coloração, aspecto e taxa do crescimento micelial, produção, dimensões e número de septos dos conídios. O delineamento experimental do ensaio em câmara climatizada foi de blocos casualizados em arranjo fatorial 8 x 8 (isolados de C. cassiicola x cultivares de soja), com cinco repetições. Plantas em estádio fenológico V4, foram inoculadas com suspensão de cada isolado (2 x 104 conídios mL-1 ). Para cada combinação isolado e cultivar de soja, foram quantificados o número de lesões, período de incubação, a incidência e tipo de manchas necróticas em órgãos vegetativos. No ensaio in vitro, verificou-se que o meio de cultura em que C. cassiicola é submetido influencia a cor e taxa de crescimento, mas não influencia o aspecto de micélio da colônia. Os aspectos de micélio aparentam estar relacionados ao hospedeiro de origem. Isolados oriundos de plantas de algodão apresentaram aspecto de micélio plano, enquanto isolados provenientes de plantas de soja tendem a apresentar micélio aéreo cotonoso. O meio Suco V8 Ágar proporcionou a maior taxa de crescimento para os isolados de C. cassiicola quando comparado ao meio BDA. A produção de conídios em isolados oriundos de plantas de soja é equivalente ou maior quando cultivados em meio Suco V8 Ágar. As características morfológicas dos conídios de C. cassiicola apresentaram grande variabilidade em relação ao próprio isolado e ao meio de cultivo. Quanto ao segundo ensaio, a severidade e período de incubação de mancha alvo são influenciados pelos isolados de C. cassiicola, cultivares de soja e a posição do trifólio nas plantas. O isolado ISO 4S ocasiona maior severidade de mancha alvo, em relação aos isolados ISO 2A, ISO 2S e ISO 11S. Menor severidade da doença ocorre para os cultivares de soja BMX Potência RR, BMX Força RR e NA 5909 RG, em relação ao cultivar BMX Elite IPRO. Independente do cultivar avaliado, o período de incubação tende a ser maior para o isolado ISO 4S. A quantidade de lesões e o período de incubação de C. cassiicola é maior no trifólio inferior e menor no trifólio superior das plantas. Cinco padrões de lesões foram identificados. Os isolados ISO 1S, ISO 4S e ISO 11S ocasionam sintomas mais severos. Maior porcentagem de folhas com lesões ocorreu nos cultivares BMX Elite IPRO, BRS 284, BMX Garra IPRO e NA 5909 RG. Lesões com menor severidade ocorreram nos trifólios da posição média das plantas de soja. Sintomas nos cotilédones, folhas unifolioladas, pecíolos e haste das plantas foram observados. O isolado ISO 4S inoculado nos cultivares BMX Potência RR e BMX Força RR ocasionou maior incidência de lesões. A incidência de lesões nos pecíolos, aumentou conforme a posição em que o pecíolo é inserido na haste principal.