Atualizações

  • Seminários de Convidados: Profa. Ana Flavia Machado
    Será realizado no dia 20/08/2021 o oitavo seminário de convidados do Programa de Pós-Graduação em Economia Regional, contando com a participação da Professora Ana Flavia Machado do Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional de Minas Gerias (CEDEPLAR) da Universidade Federal de Minas Gerais. Confira abaixo mais informações sobre a palestrante […]
  • Resultado e Convocação de Estudantes Especiais
    Os resultados do processo de seleção de alunos especiais para o segundo semestre de 2021 já se encontram divulgados. Para maiores informações, verifique o edital de resultado e convocação.
  • Aberto processo seletivo para estudantes especiais
    Está aberto o processo seletivo de estudantes especiais para o as disciplinas ofertadas no segundo período letivo de 2021. Para mais informações, verifique as regras especificadas no edital de abertura do processo. O período de inscrições será entre 20 e 22/07/2021. Verifique também o modelo de currículo padrão a ser […]
  • Seminários de Convidados: Profa. Adriana Sbicca Fernandes (UFPR)
    No dia 18/06/2021 foi realizada a sétima apresentação de seminários de convidados do Programa de Pós-Graduação em Economia Regional, contando com a participação da Professora Adriana Sbicca Fernandes da Universidade Federal do Paraná. Confira abaixo mais informações sobre a palestrante e sobre o seminário: Tema: Elementos sobre a economia comportamentalData: […]
  • Seminários de Convidados: Prof. Renato Nataniel Wasques (UFR)
    No dia 28/05/2021 o Programa de Pós-Graduação em Economia Regional contou com a sua sexta apresentação de seminários de convidados, com o Professor Renato Nataniel Wasques da Universidade Federal de Rondonópolis. Confira abaixo mais informações sobre o palestrante e sobre o seminário: Tema: A vida, a obra e o legado […]
  • Seminários de Convidados: Prof. Giacomo Balbinotto Neto (UFRGS)
    No dia 14/05/2021 foi realizado o quinto seminário de convidados do Programa de Economia Regional, contando como convidado o Professor Giacomo Balbinotto Neto da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Confira abaixo mais informações sobre o palestrante e sobre o seminário: Tema: Economia dos transplantes: Evidências recentes para […]
  • Seminários de Convidados: Prof. Andre Nassif (UFF)
    O Programa de Pós-Graduação em Economia Regional contou, no dia 30/04/2021, com a quarta apresentação de seminários no ano letivo de 2021, contando como convidado o Professor Andre Nassif da Universidade Federal Fluminense (UFF). Confira abaixo mais informações sobre o palestrante e sobre o seminário: Tema: Structural change and economic […]

Defesas e qualificações

Não existem defesas ou qualificações agendadas.Ver todas

Dissertações

Esta dissertação buscou identificar a situação do esgotamento sanitário dos municípios do estado do Paraná, Brasil. Nesse sentido foi possível constatar que um sistema de esgotamento sanitário eficiente é de suma importância para a saúde pública, e precisa ser monitorado constantemente para atingir os parâmetros de lançamento do efluente nos corpos receptores, podendo acarretar desequilíbrios do ecossistema local e sérios danos ambientais. A metodologia utilizada consiste na análise exploratória de dados espaciais referente ao ano de 2013, utilizando o programa GeoDa. Por meio de mapas e do Índice de Moran, buscou-se observar a existência de auto correlação espacial, observações incomuns (valores extremos ou outliers), identificando a existência de clusters espaciais. Os resultados mostraram a existência de agrupamentos de cidades Alto-Alto nas mesorregiões Metropolitana, Centro-Oriental e Norte-Pioneiro, que são municípios que apresentam percentual adequado para atendimento ao sistema de esgotamento sanitário, e outros agrupamentos Baixo-Baixo localizado principalmente na mesorregião Centro-Ocidental, e Baixo-Alto, com agrupamentos menores espalhados por todo o Estado, expressando atendimento precário ao sistema de esgotamento sanitário. A pesquisa permite concluir que cidades de pequeno porte foram esquecidas pelos governantes e deixadas de lado pelas empresas de saneamento, tanto estatais quanto privadas, por não apresentarem perspectivas de lucro, sendo os agrupamentos de municípios necessitados de maiores investimentos em melhorias e implantação de sistemas de esgotamento sanitário. Estudos de caso podem ser realizados para analisar diferentes situações e suas causas, pois os parâmetros de lançamento em suas outorgas de direito está relacionado a classificação do corpo hídrico receptor. Novos estudos podem incorporar métricas de eficiência, como os parâmetros de lançamento exigidos por cada município, e outras variáveis explicativas utilizando análise exploratória de dados espaciais ou mesmo econometria ou estatística.
Este estudo é constituído por dois artigos sobre o comércio internacional do Brasil no setor de carne suína congelada. O primeiro tem por objetivo geral investigar a competitividade do setor por subgrupos e o segundo estimar a função de oferta de exportação do Brasil do subgrupo de outros cortes de carne suína congelada. A metodologia proposta para o primeiro ensaio foi o cálculo e análise dos seguintes indicadores: Índice de Vantagem Comparativa Revelada, Índice de Vantagem Revelada de Exportação, Índice de Vantagem Comparativa Revelada Simétrico e o Índice de Orientação Regional no período de 2002 a 2018. O segundo ensaio utiliza séries temporais trimestrais referentes ao período de janeiro de 2002 a dezembro de 2018 e o modelo Autorregressivo de Defasagens Distribuídas (ARDL), com estimativas dos coeficientes de longo prazo e os ajustes de curto prazo. As séries utilizadas no segundo ensaio foram a quantidade exportada do subgrupo de outros cortes de carne suína congelada, a taxa de câmbio, o preço doméstico do suíno vivo em Santa Catarina, o preço de exportação do bem e o Produto Interno Bruto do Brasil. Os resultados expostos no primeiro ensaio demonstram que o Brasil é competitivo em todos os subgrupos de carne suína congelada, com destaque para o subgrupo de outros cortes de carne suína. A Rússia foi o principal importador neste segmento no período 2002 a 2017, perdendo espaço para a Geórgia em 2018. Merece destaque o mercado asiático, principalmente Hong Kong e China. Os resultados do segundo ensaio revelaram que a velocidade de ajuste da quantidade exportada a choques inesperados nas variáveis independentes é rápida, aproximadamente 71,03%. Os resultados obtidos sinalizam que a carne suína é um bem inferior no Brasil. Conforme aumenta a renda real (PIB) a oferta de exportação do subgrupo de outros cortes de carne suína congelada aumenta. Uma depreciação da taxa de câmbio, bem como um aumento no preço real de exportação ou uma redução no preço real doméstico do suíno vivo (ceteris paribus para cada variável) aumentam a oferta de exportações de outros cortes de carne suína. Todas as variáveis foram significativas no curto e longo prazos. De modo geral, pode-se concluir que o Brasil possui vantagem comparativa no setor de carne suína congelada e que possui uma oferta de exportação para o subgrupo de outros cortes de carne suína congelada. Isto demonstra o potencial do setor na geração de emprego, renda e divisas para o Brasil.
O objetivo deste trabalho é avaliar o comportamento da distribuição do rendimento domiciliar per capita no Brasil e em suas cinco regiões de 2001 à 2015, e entender a relação dos principais indicadores sociais com os ciclos econômicos. Os objetivos complementares são: apresentar a recente literatura sobre a desigualdade de renda e da relação dos ciclos de negócios com indicadores sociais; expor as principais diferenças da distribuição de renda entre todas as regiões do Brasil; analisar a participação percentual, a razão de concentração e o grau de progressividade das parcelas do rendimento domiciliar per capita no Brasil e suas cinco regiões e analisar a influência do componente cíclico na variação total dos principais indicadores sociais. Utilizou-se a metodologia da decomposição do Índice de Gini e da análise de variância a partir de métodos em conjuntos. Foram utilizadas como base de dados os microdados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), e os dados provenientes da (PNUD), (CEDLAC), (SEDLAS) e do Banco Mundial. Como resultado foi observado a queda do Índice de Gini durante todo o período em estudo, mas 2014 foi marcado como um ponto de inflexão que interrompeu uma tendência contínua de queda, observou-se heterogeneidade entre as cinco regiões, sendo que, o Norte apresenta a pior distribuição de renda e o Sul a melhor. Os indicadores sociais foram amplamente cíclicos no Brasil e em suas cinco regiões, sendo que o IDH foi o indicador menos cíclico e a taxa de pobreza moderada foi o indicador de maior relação com o ciclo econômico, nas cinco regiões do Brasil a ciclicidade dos indicadores sociais foram bastante homogêneas, com exceção à região Nordeste onde a ciclicidade do Índice de Gini foi maior que a da taxa de desocupação, indicando alta volatilidade da distribuição de renda em tal região.
Este estudo tem por objetivo estimar a função de oferta de exportação de café para o Brasil, a fim de analisar os principais determinantes que impactam o desempenho desse produto no comércio exterior. A análise, feita com dados mensais, abrange o período de janeiro de 1997 a dezembro de 2016, captando os movimentos de exportação do café no país no período pós-1990 (desregulamentação). Inicialmente discutiu-se o panorama do mercado cafeeiro, destacando os principais desafios que essa cadeia produtiva tem enfrentado, além de realizar uma revisão teórica tendo como embasamento estudos que estimaram a oferta de exportação de produtos agrícolas no Brasil. Posteriormente, propôs-se um modelo econométrico de séries temporais para estimação. Utilizou-se um modelo autorregressivo de defasagens distribuídas (ARDL) com as seguintes variáveis: quantidade de exportação de café para o exterior, preço doméstico, preço de exportação, taxa de câmbio, variável dummy representando a sazonalidade do café e o PIB brasileiro. Os resultados são expressos a partir de uma estimação de curto e longo prazo, obtidos após a identificação de um vetor de cointegração entre as variáveis. Os resultados obtidos mostram que a variável sazonalidade não apresentou significância para o modelo proposto. Observou-se que a variável preço internacional apresentou relação direta com a variável quantidade de exportação, tanto no curto quanto no longo prazo, enquanto que para o preço doméstico essa relação se deu de maneira inversa. A taxa de juros e o PIB brasileiro apresentaram relação direta e significativa com a variável dependente no curto prazo. Já no longo prazo a taxa de câmbio se mostrou negativamente relacionada com a quantidade exportada. Nota-se ainda que os ajustamentos em direção ao equilíbrio de longo prazo ocorrem rapidamente dentro do modelo estimado para análise. Os resultados sinalizam que a implementação de novas estratégias devem ser consideradas afim de posicionar o Brasil como ofertante de um produto com maior valor agregado e com maior aderência à dinâmica dos preços internacionais.

Para mais informações sobre as dissertações aprovadas pelo Programa, verifique a página da Biblioteca Digital da Universidade